Aliança de Amor em tempo de coronavírus

Viver isto em tempo de Quaresma, em tempo de conversão por meio da oração, da penitência, do sacrifício voluntário em forma de jejum ou de outras renúncias. Sobretudo, tempo de oração, tempo de Deus.

SCHOENSTATT INTERNACIONAL
PRESIDÊNCIA GERAL
Pe. Juan Pablo Catoggio – presidente

A ALIANÇA DE AMOR EM TEMPOS DO CORONAVÍRUS

Querida Família de Schoenstatt,
Estamos atravessando uma grave crise da pandemia do coronavírus. A Europa é, neste momento, o epicentro, embora já tenha afetado toda a gente e todos os governos e instituições tomaram medidas drásticas para travar o possível avanço da epidemia. Na Itália anteriormente, agora também na Alemanha, todas as escolas e universidades foram fechadas. As igrejas suspenderam as missas e toda reunião ou atividade. É uma situação séria, não tanto pela gravidade do vírus – que afeta especialmente pessoas já enfermas ou débeis pela idade, mas não tão gravemente outras pessoas, se detectado a tempo –, mas sim pela expansão acelerada do vírus que leva ao colapso do sistema de saúde, que não está preparado para um fenômeno tão maciço e tão rápido.

É a vez de viver isto em tempo de Quaresma, em tempo de conversão por meio da oração, da penitência, do sacrifício voluntário em forma de jejum ou de outras renúncias. Sobretudo, tempo de oração, tempo de Deus.

Queridos irmãos, gostaria de vos propor que tomemos este tempo como um desafio espiritual em nossa vida de Aliança:

Tempo de oração uns pelos outros e por todo o mundo

1. Muitas atividades são suspensas. Aproveitemos para rezar mais e cultivar a nossa vida interior. Deus se vale de tudo, também das realidades mais duras, para o nosso próprio bem e o bem de todos. O Pe. Kentenich interpretou audazmente a mesma guerra como um grande retiro que Deus pregou à Europa.

Não podemos ver, nesta emergência internacional pela pandemia do Covid-19, que Deus nos convida a um grande “Retiro de Quaresma”? Crescer na entrega, na confiança serena e responsável nos planos do Deus providente, agora temos a oportunidade de fazer bom uso do tempo, quando não podemos realizar atividades externamente. Em todo lado a Igreja oferece serviços religiosos pela internet e nos propõe unirmo-nos espiritualmente (leituras do dia, comunhão espiritual, meditação, Rosário). O mesmo Papa e muitos bispos prepararam várias orações para estes tempos de necessidade. O Santuário Original de Schoenstatt oferece diariamente a celebração da missa em vários idiomas que se pode seguir on-line (www.urheiligtum.de).

A lema de vários países: “fique em casa” – #YoMeQuedoEnCasa# – é um desafio a cultivar mais forte e mais criativamente a vida familiar, o diálogo, o cuidado de nossos entes queridos, o jogo com as nossas crianças, chamar amigos e também a dar nova vida ao nosso Santuário Lar.

Tempo de solidariedade e de proximidade afetiva

2. É também um tempo de solidariedade com aqueles que estão perto e com aqueles que estão longe, especialmente com aqueles que, de uma forma ou de outra, são mais diretamente afetados pelo coronavírus. Aqueles que foram contagiados e muitas pessoas que se expõem e estão ao seu serviço permanentemente. Vamos parar e rezar por eles. Mesmo que estejamos trancados em casa, nada nos impede de rezar, amar e oferecer. Talvez tenhamos mais oportunidades do que nunca. Lembremos que não tem maior “ação apostólica” do que oferecer as nossas contribuições para o Capital de Graças.

Sabemos que a Mãe multiplica e distribui estes dons em seus Santuários (Santuário Original, Santuários Filiais, Santuários Lares) em forma de graças para todos os que precisam delas. Embora devamos guardar distância física, somos chamados à maior proximidade e solidariedade interior. E, naturalmente, onde se solicite a nossa assistência direta para doentes e pessoas diretamente afetadas, como profissionais de saúde ou padres, ou do local de cada um, estejamos totalmente à disposição.

Tempo de confiança: “Cuidem-se, mas sem medo!” (PK)

3. Devemos tomar as medidas que cada governo e cada igreja local decida, com seriedade e responsabilidade. Sem dramatismo, mas com muita seriedade e responsabilidade. O Pe. Kentenich ensinou-nos muitas vezes: “Cuidem-se, mas sem medo!”. A confiança deve ir de mão dada com a inteligência e a prudência. É melhor podermos dizer mais tarde: “Talvez tenha sido um pouco exagerado”, ao invés de lamentarmos: “Se soubesse”. Hoje sabemos, vamos seguir as medidas de segurança. E podemos ajudar muitos a levar a sério estas medidas e prevenir uma maior expansão, ao mesmo tempo, podemos acompanhar e ajudar muitos a manter a serenidade e a calma. Também este é um apostolado neste momento.

Nestes dias celebramos o nosso Dia da Aliança, depois a Festa de São José e um pouco mais tarde a Festa da Anunciação. Temos várias oportunidades de estar unidos na oração. A Igreja propõe, em diversos lugares, outras possibilidades. Vamos aproveitá-las.

Rezamos com o Pe. Kentenich à nossa Mãe: “Como teu Filho, quando ainda estava aqui na terra, saciava a fome, consolava e curava os doentes, passa silenciosamente, com Ele, em nosso meio, abençoando e concedendo-nos a onipotência de teu braço maternal” (Rumo ao Céu, 507).

Queridos irmãs e irmãos na Aliança, esta é a paixão de Jesus que nos toca acompanhar particularmente este ano. Como Maria os acompanhamos ao pé da cruz.

Em nome da Presidência Internacional da Obra de Schoenstatt,

Pe. Juan Pablo Catoggio
Schoenstatt, 16 de março de 2020

 

Fonte: http://www.schoenstatt.org.br/2020/03/17/coronavirus-carta-da-presidencia-internacional-de-schoenstatt/

Amex Assessoria
Doe agora