Santuário

O Santuário Sião Jaraguá tem uma história entrelaçada nas mãos da Mãe Rainha, no coração do Padre José Kentenich - Fundador da Obra Apostólica de Schoenstatt - e na entrega de alguns padres Palotinos que se decidiram pelo carisma do Padre Kentenich.

 

Uma União de Corações.

 

Pré Fundação

 

Padre Roberto Ostheimer, de Santa Maria no Rio Grande do Sul dos padres Palotinos se decide pelo carisma de Schoenstatt. Padre Meninguem vindo da Argentina passou pelo Jaraguá em 1966 e em contato com o Frei Wagner ofereceu a paróquia do Jaraguá, até então dos Padres Franciscanos. Esta foi então a primeira morada dos padres de Schoenstatt no Brasil.

 

Neste tempo a família Schwedes queria vender uma chácara para voltar para a Alemanha. Padre Roberto se encanta com a ideia de compra-la e se mais um sacerdote viesse, poderia ir a Alemanha a fim de arrecadar dinheiro para a compra do terreno (chácara) pelo valor de 175.000 Marcos com mais 6 % de juros anuais e com entrada de 50.000. Assim foi. No dia 22 de setembro de 1966 o Padre Franz em passagem pelo Jaraguá o levou para o aeroporto. Somente na volta passou pelo correio e lá tinha um telegrama do Padre Bodo, o superior dos padres. Ele mandava suspender a viagem do padre Roberto pois seria impossível juntar tanto dinheiro, as irmãs, na época sem dinheiro, disseram que não podiam ajudar. Mas ele já tinha partido.

 

Na Alemanha, padre Roberto fez o casamento da irmã dele e ganhou um carro usado em bom estado que ajudou várias vezes o Padre Kentenich, bispos e outros a de deslocar. Chegando em Schoenstatt foi hospedado no Schloeschen. Já estava tomando café da tarde, e alguns estavam surpresos com sua presença, então padre Bodo áspero, repreendeu-o: Porquê tinha ido mesmo com o telegrama que impedia? Padre Roberto explicou que não havia recebido o tal telegrama. Esclarecido o problema padre Bodo insistiu que não podia ajudar para arrecadar o dinheiro. Aborrecido Padre Roberto levantou-se foi ao santuário, depois de se acalmar resolveu procurar o Padre Kentenich. Uma Irmã de Maria, sacristã, falou que ele estava na casa Marina terminando um retiro para os padres diocesanos e que logo voltaria ao Monte Schoenstatt para pregar um outro retiro para as irmãs. Assim abatido estava na portaria, quando uma irmã convidou para sentar e esperar no corredor. “Cochilei, quando alguém lhe tocou os ombros e apontava o padre Kentenich, ele curioso quis saber o que estava acontecendo “no diz o Padre Roberto.

 

Padre Roberto queria ao menos vê-lo já que não teria tempo para o atender. Perguntou quem era e convidou- o para jantar com ele, pois queria saber tudo do Brasil e sobre sua caminhada. Após 2 horas de conversa no jantar, Padre Kentenich disse-lhe que Padre Roberto era o cofundador, que partilhava de seus destinos. Disse-lhe que falasse ao padre Bodo 3 coisas:

 

Que ficasse na Alemanha; que fizesse o ingresso para participar retiro que pregaria aos padres de Schoenstatt em novembro e que deveria fazer a campanha e ele mesmo apresentaria a outros padres diocesanos para pregar e coletar em suas paroquias. Voltando à casa, Padre Bodo veio ao encontro do Padre Roberto, estavam saindo da Capela e preocupado com seu jantar, então Padre Roberto disse que havia jantado com o Padre Kentenich e houve um espanto geral. Passados dias, no Brasil, o tempo estava acabando para dar a entrada do terreno.

 

Um tempo depois foi até a sacristia paramentar- se e ficou encostado no armário, de súbito uma voz, o Padre Kentenich perguntou o motivo de seu desanimo, o Padre Kentenich tinha acabado de celebrar uma missa, Roberto falou da decisão de ir embora, porque já não havia tempo. Padre Kentenich explicou que Nossa Senhora estava com a mão neste jogo e devia ir a diante na iniciativa. Então explicou-lhe que devia ser assim mesmo, pois se tudo fosse fácil mais tarde iriam dizer que foi o Padre Roberto, mas se humanamente fosse impossível, e, contudo, acontecesse, então todos teriam uma prova que se tratava de uma obra de Deus. Mandou-lhe rezar mais e confiar mais firmemente, inseguro padre Roberto perguntou se devia avisar no Brasil que tinha desistido. Padre Kentenich disse que desistisse por ele mesmo. E Padre Roberto decidiu começar uma novena a Mae Rainha. “As coisas mudaram e parti para pregações e coletas, já no primeiro dia, conseguiu 2.000 marcos, o pároco disse que era impossível, que outros somente 350 marcos arrecadavam, tudo ia correndo bem, e encontre-se com a Superiora do Instituto das Senhoras, Frau Gramlich e ela emprestou 15.000 marcos, mais tarde, o Padre Kentenich o convidou pra jantar novamente e por mais 2 horas falaram. Ele ficou feliz quando disse que conseguira os 50.000. depois de muitas outras coletas” assim conta Padre Roberto. Assim entrelaçado em destinos Padre Kentenich participou deste momento decisivo do início da História do Santuário Sião do Jaraguá.

 

Fonte: Relato do Padre Roberto – Crônica da Casa Central dos Padres de Schoenstatt.

 

A Escolha do Local e Bênção da Pedra Fundamental

 

Na conquista do futuro Santuário Sião do Jaraguá, o Curso em formação dos Padres realizou sua Consagração inicial diante do Superior Geral, Padre Bodo Maria Ehrhard, e o Assistente Geral, Padre Humberto Anwandter. O ato foi feito no dia 28 de fevereiro de 1968, com o pedido de que a Mãe de Deus se manifestasse na escolha do local da construção do Santuário. O Curso adotou posteriormente o nome de “Bandeirantes do Pai”.

 

Depois de muitas idas e vindas favoráveis e contras, por influência direta do Padre Bodo Maria, foi decidida a construção do Santuário Sião na propriedade da Comunidade no Jaraguá. Foi em 22 de abril de 1968, data comemorativa da descoberta do Brasil por Pedro Alves Cabral. À noite houve uma homenagem à Nossa Senhora de Fátima no Anhangabaú, centro de São Paulo. A Imagem foi trazida de Lisboa pelo então Cardeal Ceregeira. Cerca de dois milhões de fiéis prestaram a sua homenagem à Mãe de Deus, aparecida em Fátima aos três pastorzinhos, Lúcia, Jacinta e Francisco.

 

Aproveitando o feriado do dia 1 de maio de 1968, acompanhados do Padre Bodo Maria, a Comunidade dos Padres dirigiu-se ao terreno para marcar o lugar do futuro Santuário Sião. À noite realizou-se na Capela da Casal Central a Bênção do Santíssimo em preparação do lançamento da Pedra Fundamental. Cinco dias após o Cardeal Dom Agnelo Rossi presidia no Jaraguá o solene lançamento da mesma. Na crônica da Comunidade foi assentado:

 

“5 de maio de 1968. Hoje foi benta a Pedra Fundamental do Santuário da Mãe e Rainha Três Vezes Admirável de Schoenstatt aqui em Jaraguá, São Paulo, pelo Cardeal Dom Agnelo Rossi. A procissão partiu da Igreja Matriz de Jaraguá às 15:30. Vindo de São Paulo, o Cardeal passou no meio da procissão dando a bênção aos fiéis e aos romeiros”. Como na grande concentração em torno da Imagem de Nossa Senhora de Fátima uma parte do Clero havia feito um protesto contra a manifestação mariana, na celebração do Lançamento da Pedra Fundamental do Santuário de Jaraguá, o Arcebispo fez referência ao fato, dizendo: “Eu nunca aceitei a homenagem de alguém que deixasse minha Mãe de lado!”

 

No dia do Lançamento da Padra Fundamental, em 1968, a Comunidade tomou conhecimento, de que nosso Pai Fundador havia estado em começo de maio de 1947 no Jaraguá. Enquanto o Padre Otávio fazia os últimos preparativos da Padra Fundamental do Santuário, chegou uma Irmã Catequista da Fundação do Frei Martinho Frieze com o livro de visitas da sua Comunidade. Ali constava a presença do Padre José Kentenich. Na época a Irmã Miquelina foi encarregada pelo próprio Frei Martinho para arrumar a cama para o nosso Pai Fundador.

 

Em vista desse fato surgiu, mais tarde, o cântico do Padre Antônio Maria Borges: “Os Passos do Pai geram vida aonde ele vai. Vida que é Santuário, lar e escola de heróis. Vida que acende outras vidas, luzes para um mundo melhor. Vida que é nossa vida, nossa razão de viver. Vida que é um programa, onde só vale crescer. Vida que faz do homem velho o novo homem nascer”.

 

Sobre a Pedra Fundamental podemos ler: “Monte Sião – Jaraguá, 05/05/1968 – Cor unum in Corde Patris”. Ela nos lança hoje e por todos os tempos futuros, o convite do Profeta Isaías: “Vinde e subamos ao Monte do Senhor, à casa do Deus de Jacó e Ele nos ensinará os seus caminhos e nós andaremos pelas suas veredas, porque de Sião sairá a Lei e de Jerusalém a Palavra dos Senhor”.

 

Na homilia do lançamento da Pedra Fundamental do Santuário, o Cardeal Agnelo Rossi, assim se expressou: “Estamos na terra dos Bandeirantes. Aqui o Pico do Jaraguá era exatamente o símbolo deste bandeirantismo. Os Bandeirantes saiam daqui para todo o Brasil. Então eu acho que é um lugar abençoado este Jaraguá. Será mais abençoado ainda com a presença de Nossa Senhora. Eu tenho a certeza de aqui há de surgir um núcleo de grande espiritualidade. Como dizia o Padre Superior Geral, há de trazer uma influência muito grande. Nós estamos escrevendo hoje uma página muito bonita de Salvação para a nossa Pátria, o Brasil”.

 

Ideal e missão do santuário

 

Cor Unum in cordi Patris – Um só coração no coração do Pai

 

O carisma de unidade através especialmente do coração de nosso Pai

 

Santuário que leva a unidade de todos em torno do coração do Pai

 

A busca da unidade especialmente através do coração misericordioso de nosso Pai

 

Santuário que leva a unidade especialmente pela força do coração

Amex Assessoria